Buscar

Dia Nacional dos Animais

14 de Março é é para celebrar, mas também para refletir


A data tem como principal objetivo estimular a conscientização das pessoas a respeito dos cuidados que devem ser destinados tanto aos animais domésticos quanto aos silvestres e exóticos.


É inegável o espaço que os pets, sobretudo os cães e gatos, têm conquistado nos lares brasileiros nos últimos anos. O País é o segundo no mundo com maior registro de animais domésticos, atrás apenas dos Estados Unidos.


Segundo dados oficiais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), há quase 140 milhões de pets nas famílias brasileiras. Os cães ainda são os preferidos, mas os gatos têm conquistado cada vez mais fãs.


O Sudeste é a região que conta com a maior população de pets (47,4%), seguido pelo Nordeste (21,4%). Sul (17,6%), Centro Oeste (7,2%) e Norte (6,3%) aparecem na sequência.


O outro lado


Embora sejam os preferidos das famílias, os cães e gatos são maioria também nas ruas. E a pandemia da Covid-19, que inicialmente fez aumentar o número de interessados em adoções junto a Organizações Não Governamentais (ONGs), associações e protetores independentes, vem deixando um rastro desolador no quesito abandono. O orçamento apertado é a principal justificativa usada por quem devolve ou, simplesmente, larga um animal na rua.



É buscando minimizar essas ocorrências que os atuantes na causa animal sempre frisam a importância de as pessoas ponderarem todos os aspectos familiares antes de levar um pet para casa. Isso inclui renda, espaço, dedicação e responsabilidades assumidas.


Muitos animais chegam em diversos abrigos, porém o número de adoções minguaram e não são suficientes para equilibrar a rotatividade, superlotando os locais. Esse retrato é de apenas um dos locais que realiza esse trabalho. As queixas são generalizadas.


E é importante ressaltar que esses espaços, abarrotados, bem como protetotes com ações independentes, sobrevivem de doações da sociedade civil. E, com a crise generalizada vivida, essas ajudas também diminuíram. Ou seja, são mais animais e menos dinheiro em caixa.



Teoria sem prática


O abandono é um tipo de mau-trato, assim como bater no animal, deixá-lo sem alimentação e água, mantê-lo preso e não dar a devida assistência em casos de enfermidade.


As leis que punem quem comete esse tipo de crime evoluíram, mas o cumprimento delas segue deixando a desejar.


Além dos pets


Muito se fala dos cães e gatos, mas é preciso observar também o que acontece com aves e algumas espécies de animais silvestres, vítimas de tráfico.


O Dia Nacional dos Animais pede ainda uma reflexão mais ampla sobre o posicionamento do homem ante a preservação ambiental, a preservação de diferentes biomas. O desequilíbrio do meio-ambiente tem tirado muitas espécies dos seus habitats naturais, fazendo com que se aproximem dos grandes centros urbanos, se tornando, assim, vulneráveis.


Reflexões


Nesta data, portanto, comemora-se os importantes passos dados, como o aumento da pena para crimes de maus-tratos, a proibição de amputação de cauda e dentes para fins estéticos, a proibição da venda de animais pela internet e também a realização de rinhas, além da criação de unidades de saúde públicas municipais para atender animais.


E, da mesma forma, reflete-se sobre o tanto que ainda há a ser buscado, como o devido cumprimento das leis, medidas eficazes contra a tração animal, mais rigor com os canis de reprodução, o estabelecimento de políticas públicas sérias, entre outras necessidades.




#dicasdeblog #dianacionaldosanimais #quemamacuida

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo